Gesso: sim, sou reciclável!!

Largamente utilizado em nossas obras atualmente, para o revestimento de tetos e paredes assim como também para divisórias, o Gesso também é um dos principais componentes do sistema Light Steel Frame.

Instalação de Forro de gesso
Fonte: Banco de Imagens Google

 

A quantidade de gesso usada no Brasil na década de 90

 era equivalente a 5 quilos por habitante ao ano. 

Atualmente a média anual está em 30 quilos por brasileiro.

A matéria-prima para a fabricação do gesso é o minério chamado gipsita, cujas maiores jazidas estão localizadas no polo gesseiro de Araripe, no sertão de Pernambuco – o polo é responsável por 95% da produção nacional.

Dado essa grande utilização deste material, o descarte de sobras e a reciclagem do mesmo precisa ser pensada de forma séria. Destinar os resíduos deste material para a reciclagem e após aplicá-los nos processos produtivos, além de reduzir a extração do minério gipsita (matéria-prima para a fabricação do gesso), ainda contribui para a diminuição do descarte inadequado do material, bem como a mitigação da contaminação do solo e lençol freático.

Um dos principais motivos para reaproveitar o gesso é diminuir o impacto da logística da distribuição do produto. Desde a extração do minério, nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, o material viaja cerca de 3 mil quilômetros até o Paraná. 

Quando descartado de forma inadequada em aterros, pode acarretar sérios problemas ambientais devido as suas características físicas e químicas, que em contato com ambiente pode se tornar tóxico, pois o resíduo de gesso é constituído de sulfato de cálcio di-hidratado. A incineração deste material também pode produzir o dióxido de enxofre, um gás tóxico. As possibilidades de minimizar o impacto ambiental, portanto, estão na redução da geração do resíduo, na reutilização e na reciclagem.

Reciclagem do Gesso
Fonte: Banco de Imagens Google

Gesso sustentável 

Pensando nisso, um estudo estudo conduzido na Unicamp apontou a viabilidade de reciclar o resíduo do gesso proveniente da construção civil. A pesquisa, desenvolvida pela engenheira civil Sayonara Maria de Moraes Pinheiro, atestou a possibilidade de recuperar o material, mantendo as mesmas propriedades físicas e mecânicas do gesso comercial.

O modelo experimental para a reciclagem do resíduo envolve duas fases, moagem e calcinação. Após estas etapas foram avaliadas as propriedades físicas e mecânicas do material reciclado.

“Os resíduos foram submetidos a ciclos de reciclagem consecutivos. Com estes ciclos, nós queríamos verificar se era possível reciclar o gesso, que já havia passado por processo de reciclo. Chegamos até o 5º ciclo de reciclagem e o gesso apresentou características químicas e microestruturais similares ao longo de todo o processo. Podemos inferir, portanto, que ele pode ser reciclado indefinidamente”, conclui.

Os ciclos de reciclagem provam, segundo a engenheira, que o gesso da construção civil pode ser totalmente sustentável.

“Pode-se utilizar o resíduo  em diversos ciclos de reciclagem, que é uma das diretrizes da sustentabilidade no setor. Além disso, evita a extração da matéria-prima de fabricação do gesso, que é a gipsita”, complementa.

A responsabilidade pela correta destinação dos resíduos de gesso é dos geradores, ou seja, neste caso os construtores. Os mesmos devem separa-los em caçambas específicas para este material, para que o descarte seja realizado corretamente.

O gesso precisa ser recolhido em caçambas específicas.
Fonte: Banco de imagens Google

Reciclagem

O que era voluntário passou a ser compulsório. Com o desenvolvimento de tecnologias para reaproveitar os resíduos de gesso, o material passou para a categoria de reciclagem obrigatória.A resolução nº 307 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) alterou a classificação material de Classe C (ou seja, materiais que devem ser armazenados, transportados e destinados em conformidade com as normas técnicas específicas), para a Classe B (ou seja, materiais que deverão ser reutilizados, reciclados ou encaminhados para áreas de armazenamento temporário, sendo dispostos de modo a permitir a sua utilização ou reciclagem futura).

Aqui no Rio Grande do Sul ainda possuímos poucas empresas que reciclam este material, sendo que a maioria das empresas daqui reutilizam o gesso reciclado como fertilizante na agricultura.

Fontes:

 http://www.forumdaconstrucao.com.br/conteudo.php?a=29&Cod=1321

 http://obrassustentaveis.com.br

http://pct.capes.gov.br/teses/2011/33003017041P4/TES.PDF

Construímos seus sonhos, sustentamos seu futuro.

Daniela Manosso Bampi é arquiteta LEED GA. Graduada pela Universidade de Caxias do Sul e Pós Graduada em Construção Sustentável pelo INBEC.

Casa:Materializando um sonho

Como você imagina sua casa? O que você quer colocar dentro dela? Como você quer utilizar o espaço externo?

Hoje vou falar para vocês sobre o processo de concepção de um projeto de arquitetura, pois acredite, o projeto de arquitetura transcende a questão de representação gráfica, ele te ajuda a entender a melhor forma de materializar os teus desejos, sonhos e necessidades.

O início de tudo. A decisão de ter uma casa

No projeto dessa residência feita pelo nosso escritório, como o terreno era espaçoso a delimitação de espaço para a construção da casa foi estrategicamente pensado em relação á topografia natural do terreno e a questões ambientais, como insolação do local, ventilação e a relação entre a obra,vegetação existente e visuais do terreno.

Estudo de implantação. Nesta etapa estudamos muito além da parte gráfica. Estudo de insolação, ventilação e paisagens do entorno são fundamentais

Tomada essas decisões inicias logo depois da visita inicial ao terreno, os estudos iniciaram e foram feitas propostas de diferentes layouts e padrões estéticos dentro do que o cliente solicitou no programa de necessidades. Conceitos de sustentabilidade foram aplicados ainda na concepção inicial do projeto. Como já comentado, toda a parte de estudo do terreno é muito importante para questões de conforto térmico no interior da casa. Além disso, estratégias como ventilação cruzada e o sistema de efeito chaminé também foram utilizados para que os ambientes internos fossem confortáveis e saudáveis.

 

No caso deste projeto, foram lançados dois estudos seguindo as premissas delimitadas pelo cliente.

No processo da concepção de uma casa, a mágica é poder adaptar o que você quer, suas necessidades e aquilo que você mais gosta em algo tangível. O arquiteto além de auxiliar na melhor escolha segundo normas de acessibilidade e ergonomia, pode através de ferramentas gráficas em 3D, lhe mostrar a forma que sua casa terá, assim como em etapas seguintes a escolha de revestimentos e cores neste modelo 3D que vai literalmente transportar você para o local que foi imaginado.

O estudo em 3D com volumetria do projeto também é ajustado conforme as opções estudas inicialmente.

Falando em transportar, dá uma olhadinha nesse vídeo que fizemos para essa linda casa. Depois dá uma olhada no resultado.

ASSISTA O VÍDEO! 👇👇👇

Ficou demais não é mesmo?

Outra questão muito importante é o acompanhamento de obra. Depois que as decisões foram tomadas, o projeto concebido e aprovado é hora de tirar ele do papel. Nessa etapa o arquiteto acompanha a obra em cada fase, auxiliando e coordenando a obra para a minimização de problemas e a garantia de que o que foi planejado está sendo seguido a risca.

O acompanhamento da obra é importantíssimos para que ela saia exatamente como planejada.

   


Pensando em construir? Fale conosco. 
54 99969-8965

Após todo esse processo o resultado final só pode ser um: Sucesso e satisfação!

Construímos seus sonhos, sustentamos seu futuro.

Daniela Manosso Bampi é arquiteta LEED GA. Graduada pela Universidade de Caxias do Sul e Pós Graduada em Construção Sustentável pelo INBEC.

Você já pensou em usar carpete na sua casa?

Com todas as opções existentes para revestimentos de pisos, o carpete muitas vezes não é levado em conta como opção por falta de informações.Lembro-me de um tempo em que ter carpete nas áreas, como quarto e sala, em casa, era praxe na arquitetura de interiores. Com a tecnologia invadindo o mundo dos pisos e revestimentos ficou cada vez mais fácil trabalhar com materiais como a madeira e até mesmo o porcelanato em suas diversas texturas e cores.

Aos poucos o carpete foi perdendo seu espaço, até por que a utilização do carpete sempre foi muito ligada a problemas com sujeira, poeira (que pode implicar em questões de saúde) e a própria manutenção do produto.

O que muitas pessoas não sabem é que o carpete também EVOLUIU MUITO, e a tecnologia que tanto faz parte dos nossos revestimentos também está presente nesse material.Um exemplo disso, é que existe uma ampla gama de materiais empregados para a fabricação de carpetes, desde as fibras naturais como as sintéticas. É fundamental atentar para as características do local onde o carpete será utilizado, bem como a rotina do ambiente e manutenção antes de escolher que tipo de carpete utilizar. Confira as características dos principais tipos de carpetes:

  • Carpete de nylon: as fibras de nylon são resistentes ao desgaste e ao mofo. O produto também possui boa vida útil e resilência ao peso dos móveis. O nylon pode ser tingido em uma grande variedade cores, resultando em mais opções de escolha de estilo. Por essas razões, os carpetes de nylon estão entre os mais populares no mercado. O carpete de nylon é um dos mais indicados para ambientes de intensa circulação de pessoas.
  • Carpete de polipropileno: o uso desse tipo de carpete como forração para interiores é cada vez mais comum. Resistência a manchas e facilidade de manutenção estão entre as principais vantagens do produto. O seu uso é indicado para áreas de tráfego intenso e cômodos suscetíveis a danos por manchas como o quarto infantil.
  • Carpete de poliéster: o toque macio aliado a uma boa resiliência são os pontos fortes dos carpetes de poliéster. O material também possui propriedades antialérgicas, já que inibe a formação de mofo. Ele também é uma opção de produto ecológico, já que muitos carpetes de poliéster atuais são feitos de garrafas PET recicladas.
Carpete residencial
Fonte: Google imagens

Carpete X Alergia

As  alergias mais comum como renite alérgica e asma são causadas por ácaros, que são artrópodes menores que um milímetro, e seu habitat é a poeira da casa, a chamada poeira fina.Os ácaros se proliferam em locais úmidos e aonde possam se alimentar (Ácaros se alimentam de restos de cabelos, restos de pele (células mortas da pele), pelos, caspas, restos de alimento e mofo. Ou seja, eles podem estar na sua cama, na sua cortina, no seu sofá…

Nos ambientes da nossa casa, independente do tipo de piso, existe uma quantidade considerável de pó flutuando no ar. O carpete tem excelentes propriedades para reter este pó. Conforme o pó assenta, fica retido entre as fibras até que seja aspirado, sendo assim totalmente eliminado do ambiente.

Dessa forma, em ambientes acarpetados a quantidade de pó flutuando no ar é inferior a ambientes revestidos com pisos frios

Os carpetes são construídos com fibras sintéticas onde os ácaros não sobrevivem. Carpetes não são um terreno fértil, portanto não são uma causa direta.O fato de o carpete reter o pó, evitando que flutue no ar, o torna mais saudável que outros tipos de piso

Fonte: http://beaulieu.com.br/alergia

Limpeza

Como comentei no início do texto, com a evolução da tecnologia empregada nos carpetes, até a limpeza se torna mais fácil. Existem carpetes com fibras altamente resistentes e à prova de manchas. Nesse caso, se algum acidente acontecer e algo cair e sujar o carpete, uma mistura simples de água sanitária e água comum resolve.

Além disso, a limpeza do carpete é feita com aspirador de pó, o importante é manter uma rotina de limpeza para a conservação do mesmo. Uma vez por ano é recomendado uma limpeza profissional.

Fonte: Google imagens

Conforto Acústico e Térmico

A superfície e a base secundária do carpete agem como isolantes térmicos. Em ambientes aclimatizados, as fibras sintéticas armazenam pequenas quantidades de ar que retêm a temperatura por mais tempo, proporcionando menos consumo de energia, tornando-o mais confortável e agradável do que qualquer outro tipo de revestimento para o piso.

Para melhorar ainda questões de conforto, a utilização de uma espuma de Poliuretano  sob o carpete, protege e prolonga sua vida útil.

A espuma é um produto reciclado, reciclável e ambientalmente CORRETO.

                    Fonte: Projeto residencial – Arq. Daniela Manosso Bampi

Sustentabilidade

Algumas empresas fabricantes de carpete, como por exemplo, a Beaulieu do Brasil já possuem o Rótulo Ecológico ABNT para os revestimentos têxteis para o piso. O certificado é a garantia ao mercado de que a empresa está comprometida com a redução dos impactos ambientais do seu processo, com a redução de desperdícios (reciclagem de resíduos) e com a melhoria dos seus processos produtivos, com aumento de eficiência.

 

Fonte: ABNT

 

 É verdade que muitas são as opções de cores, texturas e tecnologias presentes em cada tipo de carpete, e que é claro, comparado com outros materiais como porcelanatos ou pisos laminados ou vinílicos as vantagens e desvantagens podem ser comparadas a fundo, mas no final das contas, o que manda mesmo é o nosso gosto pessoal, não é mesmo? Então lembre-se, esteja sempre aberto as possibilidades. Seu arquiteto vai poder fazer as melhores comparações dentro das suas necessidades!

Daniela Manosso Bampi é arquiteta LEED GAGraduada pela Universidade de Caxias do Sul e Pós Graduada em Construção Sustentável pelo INBEC.

Fontes: https://www.westwing.com.br/carpete/ e  http://beaulieu.com.br/alergia