Amianto: Prenda a respiração!

Dentre as várias responsabilidades da construção civil, uma delas é garantir que o ambiente em que  a gente vive, seja saudável e sustentável. E vamos além, devemos garantir também que os trabalhadores que atuam  na construção das nossas casas, empresas e instituições, tenham um ambiente saudável também. A muito tempo quero falar de um assunto um pouco polêmico por aqui no Brasil : o uso do Amianto.

Como assim polêmico?
Mas ele não é um produto super perigoso para a saúde?

SIM!!!! Afinal, os fragmentos microscópicos de fibras de amianto são potencialmente perigosos quando inalados e podem provocar doenças respiratórias como:

  • Câncer de pulmão, que é o mais comum em pessoas expostas ao amianto;
  • Mesotelioma, uma forma de câncer no peito que praticamente só ocorre em pessoas expostas ao amianto;
  • Asbestose, uma doença que causa falta de ar e pode levar a problemas respiratórios mais graves.
  • Fonte:http://dc.clicrbs.com.br/sc/estilo-de-vida/noticia/2017/08/entenda-por-que-o-amianto-faz-mal-para-saude-e-esta-banido-de-santa-catarina-9879496.html

    Mas afinal, o que é o Amianto?

Ele é um mineral que ocorre na natureza. Uma variedade da substância, o amianto branco, é usado na indústria da construção civil nos países em desenvolvimento, mas é proibido na maioria dos países industrializados, devido aos riscos para a saúde.

amianto branco
Amianto branco

Outras formas do produto – o azul e o marrom – são proibidos em todo o mundo.

Há duas décadas, muitas telhas, pastilhas de freio e caixas d’água, entre outros produtos, eram fabricados com fibra de asbesto, mais conhecido como amianto, no Brasil. Nos dias de hoje, a matéria-prima já foi proibida em mais de 50 países – inclusive no Brasil – por ser comprovadamente cancerígena. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que cerca de 100 mil pessoas morrem por ano devido a doenças causada pela inalação desta substância.

Fibrocimento em cheque: mitos e verdades sobre a telha de amianto

Mas então,qual a polêmica?

Alguns especialistas afirmam que a variação branca do produto traz menos risco à saúde do que o azul e marrom, mas mesmo empresas que vendem a substância dizem que os trabalhadores devem evitar inalar o ar com o produto.

A recomendação é clara : Não inale o Amianto.

Um órgão de saúde do governo americano afirmou que a exposição a contaminação do ar pelo amianto ao longo de uma vida toda de trabalho pode provocar cinco mortes por câncer e duas por asbestose em cada mil trabalhadores.

O principal contraponto aqui no Brasil, vem principalmente de estados em que  se concentram grandes produtores de produtos que tem em sua base, a utilização do amianto e possuem representação no congresso nacional.

Eles alegam que o tipo de amianto brasileiro é o crisotila (branco) puro, que seria menos contaminante, e por isso sua proibição deveria ser cancelada. Outro argumento é o de que o amianto traz “apenas” problemas ocupacionais (oriundos do trabalho) aos operários. (Como se isso não fosse o suficiente para banir o material!!).

No entanto, há um campo aberto para o debate, já que a quebra do amianto em uma situação doméstica ou um descarte incorreto no meio ambiente poderiam causar a inalação da “poeira assassina” por parte do consumidor.

E apesar de todos os contrapontos levantados pelas indústrias que defendem a utilização do amianto, algumas respostas ainda não foram solucionadas:

  • Como se dá a descontaminação do amianto?
  • Quais problemas ele pode causar aos consumidores finais e o que fazer com a sua telha de amianto antiga?
  • E afinal, existe alguma forma real de “controlar” a exposição às partículas que são liberadas no ar?De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e outras entidades que defendem o banimento do produto, apesar dos benefícios da substância para a economia nacional – geração de empregos, exportação, barateamento de materiais de construção -, a comprovação de que a substância é cancerígena e causa danos ao meio ambiente já é o suficiente para o banimento do produto.

A proibição

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu no ano passado, por proibir, em todo o país, a produção, a comercialização e o uso do amianto tipo crisotila, usado, principalmente, para fabricação de telhas e caixas d´água.

Vários estados, como próprio Rio Grande do Sul já proibiam a comercialização deste produto .

Mas somente no ano passado os ministros entenderam que o artigo da lei federal que permitia o uso da do amianto crisotila na construção civil é inconstitucional. Os magistrados concluíram ainda que essa decisão deve ser seguida por todas as instâncias do Judiciário.

Pelo entendimento do Supremo, o Congresso não poderá mais aprovar nenhuma lei para autorizar o uso deste material. Além disso, os estados também não poderão editar leis que permitam a utilização do produto.

Ufa! Estamos livres do amianto, certo?

É….mais ou menos.
Apesar da proibição nacional, e em países da União Europeia, na Austrália e em mais de outros 20 países, algumas nações como  China, Índia e Rússia são grandes consumidores deste produto. E os maiores exportadores são Rússia, Cazaquistão e Canadá.

Portanto, precisamos atentar principalmente quando compramos produtos de origem destes países que permitem a utilização do amianto, pois atualmente a entrada deste produto no país ainda pode ocorrer.

E se eu precisar descartar um produto antigo que contém amianto?

A recomendação é de que o descarte seja feito juntamente com resíduos tóxicos, em aterros especializados. E atenção :  o material não tem como ser reutilizado ou reciclado.

Para descartar seus produtos antigos que contem a substância procure os postos aqui ou entre em contato com a prefeitura de sua cidade para fazer a destinação correta.

Ficou curisoso com assunto?
Quer saber mais?
Fica aqui a dica de um documentário produzido pela Globo News que pode esclarecer um pouco mais sobre suas dúvidas:

https://youtu.be/NptrP1p3OQ4


Fontes:
https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2010/07/100721_amianto_qa_dg
https://oglobo.globo.com/economia/amianto-de-9-empresas-7-ja-deixaram-de-usar-fibra-ou-vao-abandona-la-ate-2018-21646999


Construímos seus sonhos, sustentamos seu futuro.

Daniela Manosso Bampi é arquiteta LEED GA. Graduada pela Universidade de Caxias do Sul e Pós Graduada em Construção Sustentável pelo INBEC.


Contatos:

daniela@danielamb.com.br
www.danielamb.com.br

Curta nossa página do Face e nosso Instagram e fique por dentro das novidades!

Siga nossas redes sociais! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *